Museu da Carris

Carro Elétrico n.º 283

Enviar este conteúdo

Os seus dados:

 

Destinatário(s):

Caso pretenda, junte também uma mensagem:

2015-03-31

Peça do mês | março

Aumentar Carro Elétrico n.º 283
O carro elétrico nº 283, contemporâneo dos “tempos heróicos” da tração elétrica, integrava uma série numerada de 283 a 322 e entrou ao serviço em 1902. A caixa era completamente aberta e composta por um tejadilho com lanternim apoiado sobre colunas e estribos corridos a todo o seu comprimento. Interiormente possuía doze bancos de madeira, podendo transportar 48 passageiros, sentados, e mais seis, de pé, na plataforma da retaguarda. Mais do que o seu aspeto, foram, provavelmente, as suas dimensões, o que mais sensação causou entre os lisboetas: medindo 11,35 m desde logo foi apelidado, tal como todos os dessa série, de “almanjarra” e “avantesma formidável”.

Ilustrando esta afirmação, transcreva-se o que o jornal “Novidades” de 30 de Janeiro escreveu:
“Já hoje andou em serviço um dos carros grandes que a Companhia dos Tramways eléctricos ultimamente importou. É do feitio dos abertos, tendo, porém, doze bancadas transversais, e oito rodas, quatro na frente e quatro na retaguarda. É uma avantesma formidável. Se abalroar com alguma coisa, acaba-se a coisa e acaba-se o mundo. Fica tudo num figo.”

Na década de 50 do século passado todos os carros deste modelo foram sendo progressivamente abatidos ao serviço, com exceção do 283, que passou a servir como carro de instrução. Dez anos mais tarde também ele foi abatido e cedido ao parque infantil do Monsanto, onde permaneceu por largos anos até que, já nos anos oitenta, regressou à Empresa para integrar a coleção do que viria a ser o Museu das CARRIS.

< voltar