Museu da Carris

Destaques

Enviar este conteúdo

Os seus dados:

 

Destinatário(s):

Caso pretenda, junte também uma mensagem:

 
Esteja atento às principais notícias e atividades do Museu!

 
19.12.14 Exposição sobre carris
Aumentar

EXPOSIÇÃO SOBRE CARRIS
Uma parceria entre o Museu da CARRIS e o Museu Nacional Ferroviário

Patente na Antiga Carpintaria do Museu da CARRIS
Entre 18 de setembro e 19 de dezembro de 2014

Saber mais aqui.

17.09.14 Museu da CARRIS adere ao projeto LisbonMuse
Aumentar

O Museu da CARRIS foi escolhido como um dos espaços culturais/artísticos que serão divulgados no projeto LisbonMuse
A iniciativa integra a divulgação da cidade de Lisboa sob uma esfera mítica, tendo como base nove musas da mitologia grega e seus atributos (como a música, a dança, a comédia, a astronomia, a poesia, entre outros). associadas a nove espaços da nossa cidade.
A musa representante do Museu da CARRIS é a Ana Rita Clara, que representa a musa melpómene.
Mais novidades brevemente.

01.09.14 QUADRO COM COLEÇÃO DE BILHETES COM NUMERAÇÃO EM CAPICÚA
Aumentar

Fundada em finais do terceiro quartel de século XIX, a CARRIS tem vindo ao longo dos seus mais de cem anos a emitir bilhetes de transporte que têm feito a delícia dos colecionadores.
E foi graças a eles,  principalmente aos colecionadores de capicuas, que chegaram até hoje a maior parte dos bilhetes que conhecemos.
Este conjunto de bilhetes, feita pelo colecionador Horácio José da Cruz, é composto por 999 bilhetes da CARRIS, com numeração em capicua, disposto ordenadamente do número 00100 até ao 99999.

31.08.14 113.º Aniversário da Inauguração do elétrico de Lisboa
Aumentar

CARRIS ASSINALA 113º. ANIVERSÁRIO DA INAUGURAÇÃO DO ELÉTRICO DE LISBOA| 31 de agosto de 2014

A CARRIS, operadora dos transportes públicos de superfície na cidade de Lisboa, comemora, no dia 31 de agosto, o 113.º aniversário do serviço de tração elétrica. Com efeito, foi nesse dia do ano de 1901 que os lisboetas, pela primeira vez, puderam utilizar aquele novo e revolucionário tipo de transporte.

Fundada em 1872, a CARRIS, logo no ano seguinte, inaugurou o serviço público com veículos de tração animal deslocando-se sobre carris, os “americanos”.

Em 1900 tiveram início os trabalhos necessários de implantação do sistema elétrico, os quais incluíram o relançamento da via, a instalação da rede aérea e até a construção de uma fábrica termoelétrica capaz de fornecer toda a energia elétrica necessária ao normal funcionamento do sistema.

A primeira linha de elétricos começou assim a funcionar no dia 31 de Agosto de 1901 entre o Cais do Sodré e Ribamar. Conforme um órgão da Comunicação Social da época relatava:

“A inauguração da tracção eléctrica satisfez completamente o público que em grande número concorreu a presenciar o importante melhoramento: elegância luxuosa dos carros, a comodidade que oferecem aos passageiros e a rapidez da marcha (...). Os carros são abertos, amplos, onde os passageiros, ainda mesmo nutridos, se podem acomodar à vontade. As carreiras começaram às 4 horas e 40 minutos, hora a que saiu o primeiro carro da estação de Santo Amaro.”

Dezasseis carros abertos, cómodos, rápidos e arejados (no dizer dos periódicos da época) iam oferecer à população da capital um grande melhoramento nas deslocações.

Os anos que se seguiram ficaram assinalados pela total eletrificação da rede então existente, pelo aparecimento de novas carreiras e pelo crescimento da frota com carros inicialmente adquiridos nos Estados Unidos e, a partir de 1924, construídos nas oficinas da Empresa.
A rapidez do elétrico fez reduzir distâncias e contribuiu para a urbanização dos chamados bairros rurais. Assim, à custa do elétrico, nasceram os grandes bairros do Lumiar, Benfica, Carnide e Areeiro.

Há mais de cem anos que os elétricos dão cor a Lisboa, a campainha e o chiar dão-lhe o som. Atravessam a cidade, na geografia e na história e cresceram com ela. 

O aumento populacional, as cada vez mais difíceis condições de circulação na cidade, o aparecimento dos autocarros e do Metropolitano de Lisboa, conduziram a alterações que qualquer interessado no universo dos transportes poderá acompanhar no Museu da CARRIS.

Assim, para assinalar os 113 anos do elétrico em Lisboa e proporcionar a todos uma viagem pela história da empresa e do transporte público na cidade, entre os dias 1 e 5 de setembro, será disponibilizada nas páginas de facebook da CARRIS e do Museu da CARRIS uma imagem alusiva ao aniversário. A quem apresentar essa imagem na bilheteira do Museu da CARRIS, na compra de dois bilhetes será oferecida a segunda entrada no Museu. E ao 1.º visitante de cada dia será oferecida uma miniatura de elétrico!

30.08.14 2.ª Maratona Fotográfica CARRIS.METRO
Aumentar

Conheça os vencedores desta iniciativa que viu o seu desfecho no passado dia 30 de julho, com a entrega de prémios aos vencedores.

Aproveite para conhecer alguns dos trabalhos entregues e premiados na Galeria do Museu da CARRIS até ao fim do mês de agosto.

01.08.14 BANCO DE CARRO AMERICANO
Aumentar

Existem na CARRIS alguns objetos raros que tendem a passar despercebidos, pese embora o interesse que têm para a história da Empresa, devendo-se esta situação, decerto, às diferentes utilizações que a passagem dos anos lhes atribuiu.

Integra-se neste grupo um banco em madeira que durante décadas serviu na sala de espera do Serviço de Saúde da Estação de Santo Amaro e que foi possível identificar como peça pertencente a carros de tração animal (carros americanos).

Com 85 centímetros de altura e um comprimento de 2,30 metros, alia a robustez e a leveza obrigatória dos materiais utilizados em carros acionados por tração animal, à preocupação estética, traduzida numa decoração baseada em estrelas de cinco pontas, abertas nas tábuas moldadas que lhe servem de encosto.

31.07.14 MAQUETE DE ASCENSOR
Aumentar

Este modelo reduzido de Ascensor, remonta a 1892, tendo sido idealizado e construído por Joaquim Borges Cardoso, sócio da firma Cardoso & d’ Argent, construtora, entre outros empreendimentos, dos Ascensores de Lisboa e do Elevador de Santa Justa. Acredita-se que tenha servido como elemento de estudo à instalação da tração a vapor nos Ascensores.

Foi objeto de minucioso restauro nas oficinas da então Direção de Manutenção de Santo Amaro e o seu interesse maior reside, para além de todo o cuidado estético colocado na sua construção, no sistema mecânico, tão bem concebido e executado, que bastaram intervenções de limpeza e lubrificação para, de novo, o colocarem em perfeitas condições de funcionamento, apesar de ter estado parado dezenas de anos.

10.07.14 Elevador de Santa Justa comemora 112º aniversário
Aumentar

Elevador de Santa Justa comemora 112º aniversário| 10 de julho.
“Ex libris” da Baixa lisboeta foi inaugurado a 10 de julho de 1902

O Elevador do Carmo ou, como desde muito cedo se tornou conhecido, de Santa Justa, assinala, dia 10 de julho, o 112.º aniversário da sua inauguração.

“Ex libris” da Baixa lisboeta, este elevador, hoje propriedade da CARRIS, foi projetado pelo Eng.º Raul Mesnier de Ponsard e era, na origem, propriedade de uma empresa especialmente criada para a sua construção e exploração, a Empresa do Elevador do Carmo.

Os trabalhos para a sua construção tiveram início em 1900, com a remoção de terras nas escadinhas de Santa Justa e o seu momento mais marcante, no dia 31 de agosto de 1901, quando, por sistema de alavanca, em poucas horas, foi feito o lançamento do passadiço, destinado a estabelecer, por sobre a Rua do Carmo, ligação entre o topo do Elevador e o Largo daquele nome. Também nesse dia e igualmente importante para o quotidiano e desenvolvimento da cidade foi a inauguração, pela CARRIS, do serviço de carros elétricos.

Inicialmente o Elevador utilizava o vapor como força de tração. Em 1907 procedeu-se à eletrificação do sistema.

Em fevereiro de 2002, tal como sucedeu com os Ascensores do Lavra, da Glória e da Bica, também eles propriedade da CARRIS, o Elevador do Carmo foi classificado como Monumento Nacional.

Para além de uma visita ao local qualquer interessado poderá consultar informação histórica de pormenor respeitante a este elevador no Museu da CARRIS, aberto das 10.00 H às 17.00 H (encerrando ao Sábado para almoço das 13.00 H às 14.00 H, Domingos e Feriados), na Rua 1.º de Maio 101-103, 1300-472 LISBOA.

Um aniversário com presentes
Para assinalar os 112 anos do Elevador de Sta. Justa, a CARRIS irá desenvolver um conjunto de iniciativas que passarão pelas redes sociais e atuações no local.

Assim, amanhã, dia 10 de julho, nas páginas de facebook da CARRIS e do Museu da CARRIS será disponibilizada uma imagem alusiva ao aniversário do Elevador. A quem apresentar essa imagem na bilheteira do Museu da CARRIS e na compra de dois bilhetes será oferecida a segunda entrada no Museu (apenas válida para o dia 10 de julho de 2014).

A CARRIS assinalará, ainda, este dia com uma atuação, no Elevador de Santa Justa, da Orquestra Ligeira da CARRIS no Miradouro, que decorrerá pelas 15:30.

Parabéns ao Elevador de Santa Justa pelos seus 112 anos.

data de colocação de notícia: 09 de julho de 2014

30.06.14 ESPELHO DA SALA DE PLANTÕES
Aumentar

Desde há longos anos em todas as Estações da CARRIS, com exceção da de Miraflores, existem uns espelhos de parede que, dado o local em que habitualmente se encontram, são conhecidos na gíria da empresa como “Espelhos da Sala de Plantões”.

Com oitenta centímetros de largura por cento e oitenta centímetros de altura, e protegidos por caixilhos de madeira, refletiam a permanente preocupação da empresa pelo modo como o seu pessoal tripulante se apresentava perante o público, o que está bem patente no conjunto de normas e conselhos que neles aparecem gravados:

Mais um minuto e veja como
Se apresenta ao serviço.
Atenção! A barba está feita e o
 Fato bem limpo?
Note bem
Um aspecto de limpesa
Agrada a todos

E se alguém mais atento, estranhar que na palavra limpesa o s substitua o z atualmente, tal não se deve a um erro de ortografia, mas sim ao modo como antigamente a palavra se escrevia.

Este espelho, aqui em exposição, data de 1937 e estava na Sala de Plantões da Estação de Santo Amaro que, na época, se chamava Sala dos Condutores.

29.05.14 Exposição "O efémero em passagem"
Aumentar

EXPOSIÇÃO “O EFÉMERO EM PASSAGEM”

Entre 29 de maio e 30 de junho poderá visitar na Galeria do Museu da CARRIS, a exposição "O EFÉMERO EM PASSAGEM", da autoria dos artistas João Abreu, Nuno Lacerda e Frederico Albuquerque Mendes.

Este trabalho coletivo, que remete para um dos Sonetos a Orpheu de Rainer Maria Rilke, pretende ser uma proposta de reflexão sobre a efemeridade e o diálogo com o espaço da Galeria do Museu da CARRIS, a qual será preenchida temporariamente com fotografia, pintura, som e vídeo.

A exposição engloba instalações sonoras de João Abreu, que associam o som e o registo verbal a objetos de memória, num limbo entre o passado e o presente; trabalhos em pintura e vídeo de Nuno Lacerda, onde é explorada a repetição e a persistência de diferentes ações realizadas por uma personagem (o próprio artista); e trabalhos fotográficos da autoria de Frederico Mendes, onde os espaços e os escritos representados são o mote para a invenção de novas figuras que vagueiam nessas representações de momentos efémeros.

Entrada gratuita.

Para mais informações sobre os artistas:

28.05.14 Vantagens do cartão Lisboa VIVA
Aumentar

O cartão Lisboa VIVA continua a dar descontos em museus, desta vez e como não poderia deixar de ser, é no Museu da CARRIS. 

Museu da CARRIS:
Aberto desde 12 de janeiro de 1999, o Museu da CARRIS testemunha o contributo que a empresa tem dado à cidade de Lisboa, sendo, igualmente, um marco cultural na história e na vida da cidade e de todos os que a visitam, tendo vindo a consolidar-se como um Museu de referência em Lisboa.
Venha viajar na história, estamos à sua espera para lhe revelar a memória do transporte. Não falte!

Desconto:
2 por 1 | na compra de um bilhete (entrada normal), recebe outro de valor igual ou inferior.
O bilhete normal permite o acesso  à coleção do Museu da CARRIS, apresentada nos núcleos I, II e III.
Basta apresentar o seu cartão Lisboa VIVA válido.  

Lisboa VIVA, muito mais que um simples cartão!

18.05.14 No Dia Internacional dos Museus
Aumentar

Aproveite o Dia Internacional dos Museus (18 de maio) para viajar na história na Rota dos Museus.

Assinalando o Dia internacional dos Museus, o Museu da CARRIS e o Museu dos Coches vão promover, no próximo domingo, dia 18 de maio, a “ROTA DOS MUSEUS”, com o objetivo de dar a conhecer, de forma integrada e abrangente, as suas coleções e a evolução histórica dos meios de transporte públicos e particulares em Lisboa. 

A ação visa permitir uma visita aos dois espaços culturais, ligados, durante a tarde do dia 18 de maio, por um elétrico histórico do Museu da CARRIS, construído em 1901. O Museu dos Coches oferece, ainda, a todos aqueles que visitem neste dia os dois museus, a oportunidade de viajarem numa charrete na zona de Belém.

A entrada nos referidos Museus é gratuita, nos seguintes horários:
MUSEU DA CARRIS
Das 10:00 às 18:00 horas (encerra das 12:30 às 13:30 para almoço)

MUSEU DOS COCHES
Das 10:00 às 18:00 horas

16.05.14 HÁ VIDA NO MUSEU DA CARRIS
Aumentar

Queremos convidá-lo(a) a visitar o novo espaço totalmente renovado do Museu, com novos conteúdos e atividades, que agregam agora uma coleção permanente alusiva à história do METROPOLITANO DE LISBOA.

Aberto desde 12 de janeiro de 1999, o Museu da CARRIS é um testemunho do contributo que a empresa tem dado à cidade de Lisboa, sendo, igualmente, um marco cultural na história e na vida da cidade e de todos os que a visitam, tendo vindo a consolidar-se como um Museu de referência em Lisboa.

Atualmente, no espaço do Museu, dispomos dos seguintes espaços visitáveis:
  • Núcleo I – apresenta a evolução histórica da CARRIS e do METROPOLITANO DE LISBOA através de documentos e objetos, uniformes e vários instrumentos que fizeram parte do quotidiano das empresas.
  • Núcleo II – onde estão em exposição de viaturas de transporte, máquinas do parque oficinal, uma Oficina de Tipografia e, ainda, uma zona dedicada à arte no METROPOLITANO DE LISBOA.
  • Núcleo III – com a exposição de veículos, de trabalho e de transporte de passageiros, que fazem parte das reservas e que se encontram a aguardar restauro. Encontram-se, ainda, exposto neste núcleo um 'ambiente estação' com obeliteradores e canais de validação do METROPOLITANO de LISBOA. 
  • A transição entre os núcleos do Museu da CARRIS é efetuada num elétrico de 1901.
  • Galeria de Arte - galeria de arte contemporânea com programação diversificada de exposições individuais e coletivas, aberta todos os dias das 10 às 17 horas (exceto domingos e feriados) com entrada gratuita. Atualmente a galeria de arte exibe uma produção Tempos de Vista, a mostra artística “Betweenness”, da autoria de Inês Teles com Min Kim. Esta exposição estará presente até ao dia 24 de abril.
  • Serviço Educativo - criado com o objetivo de ressignificar o Museu da CARRIS com uma ação educativa adaptada a vários públicos e que promove a realização de diversas atividades pedagógicas, lúdicas e interativas, que estimulem o pensamento, sensações e ideias, desde visitas orientadas, oficinas, cursos, férias escolares e festas de aniversário.
  • Sala da antiga microfilmagem | filme “Lisboa quem és tu?” – local onde atualmente exibimos uma vídeo projeção que conta a história da cidade de Lisboa, através dos monumentos e dos locais estratégicos, dos factos e das personagens marcantes do percurso histórico de Lisboa, utilizando a tecnologia mais recente de desenho digital e animação, com sistemas de multiprojeção vídeo e multidifusão sonora.
  • Village Underground Lisboa - espaço de escritórios para a indústria criativa construído com recurso a contentores marítimos e dois antigos autocarros da coleção do Museu da CARRIS. Faz parte de uma plataforma internacional para a cultura e criatividade, que existe em Londres, desde 2007.
O Museu da CARRIS quer chegar cada vez mais próximo dos seus visitantes, proporcionando um conjunto de atividades e ações dinâmicas no domínio da cultura, da descontração e do lazer. 
Esta é uma viagem que não pode deixar de fazer com a CARRIS, estamos à sua espera para lhe revelar a memória do transporte. Não falte!

10.05.14 FESTA DE INAUGURAÇÃO VILLAGE UNDERGROUND LISBOA SÁBADO |10 DE MAIO |18H ENTRADA LIVRE
Aumentar

O Village Underground Lisboa tornou-se mesmo realidade. Esta pequena aldeia criativa conta com 14 contentores marítimos, dois autocarros e já está activa desde o passado dia 9 de Abril. No entanto, é no próximo Sábado, dia 10 de Maio, que se assinala a orgulhosa inauguração. É o arranque oficial de um novo epicentro cultural na cidade de Lisboa. 

Conhecido em Londres como um dos mais hiperactivos pólos de programação e fusão de agentes criativos da cidade, o Village Underground Lisboa vai também ser palco de múltiplas expressões culturais: de concertos a feiras de arte, a passar por teatro, exposições, entre quaisquer outros formatos de eventos destinados a acompanhar as tendências urbanas de vanguarda. Abrem-se então as portas para uma festa de inauguração que vai contar com música em diversos formatos, com uma exposição, vídeo, street art e acrobacia.

Na programação há a mão da anfitriã Madame que convida MGDRV para concerto, e Stereo Addiction, Heartrbreakerz, Twofold e Dilen como Dj’s; a Red Bull Music Academy Radio faz a curadoria de 4 contentores com actuações de Klipar, Rastronaut, White Selecta e Pedro Menício, em percurso ecléctico pelo funk, cumbia, bass, disco, entre outros géneros; e também a revista Órfão que promove a exposição “Orffman” com vários artistas convidados a ilustrar álbuns de rock psicadélico, juntamente com a actuação ao vivo de Jibóia, também parte da exposição. 

A juntar ainda intervenção live painting por Urburner, acrobacias de rua pela Buzico Agência e a possibilidade de livre circulação pelos espaços de trabalho para conhecer os projectos residentes. 

Sábado, 10 de Maio a partir das 18h. O VU Lisboa fica no MUSEU DA CARRIS, Estação de Santo Amaro, R. Primeiro de Maio, 103, Alcântara. 
Entrada livre.

01.05.14 PASSE DO GAGO COUTINHO

Em 1961, a Revista Lisboa Carris, inseria nas suas páginas um apontamento sobre um bilhete de assinatura, passado em nome de Carlos Viegas Gago Coutinho e que, devolvido à CARRIS pelo Ministério da Fazenda aquando de uma ausência oficial fora do país, no já longínquo ano de 1891, por um feliz acaso, sobreviveu à passagem do tempo.
O seu titular é ainda um jovem (nasceu em 1869 e faleceu em 1959), de chapéu “palhinhas” na cabeça e gravata às bolas, a quem falta percorrer o longo caminho que o elevará ao posto de Almirante da Armada Portuguesa e à notabilização, alcançada, principalmente, após a viagem de travessia aérea do Atlântico Sul, realizada na companhia de Sacadura Cabral, em 1922.
Citando o autor do apontamento na Revista, o Almirante Gago Coutinho “foi sempre um homem simples, mesmo depois de célebre. Nunca teve automóvel e, em terra firme, adorava andar de elétrico. Eu, seu vizinho durante anos e anos, viajei muitas vezes na sua companhia nos carros de S. bento que ambos tomávamos no Largo do Conde Barão, quando íamos para a Baixa.”

01.05.14 Férias de Verão no Museu da CARRIS
Aumentar

FÉRIAS DE VERÃO NO MUSEU DA CARRIS - SEMANAS TEMÁTICAS
Expressão Plástica | Expressão Corporal | Expressão Musical

Já sabe o que o seu filho vai fazer este Verão? O Museu da CARRIS tem algumas ideias! 

Já conhece o programa de Semanas Temáticas para as Férias de Verão do Museu da CARRIS? É uma oferta vocacionada para crianças e jovens adolescentes composta por atividades lúdicas e interativas que estimulam o pensamento, sensações e ideias, incentivam a participação e a releitura dos lugares e objetos, através de visitas mediadas, oficinas, jogos, entre outras atividades. Entre diversão e aventura, promovem-se conteúdos pedagógicos e cultiva-se o espírito de equipa.


Inscreva já o seu filho! Não perca a oportunidade de embarcar nesta aventura.

23.04.14 Dia Mundial do Livro e dos Direitos de autor
Aumentar

Queremos celebrar consigo o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de autor. Venha ao Museu da CARRIS e obtenha 10% de desconto na compra de qualquer livro à venda na nossa Loja (desconto válido de 23 a 30 de abril).

 Não perca esta oportunidade e aproveite já!


01.04.14 Livro de Bilhetes de Assinatura
Aumentar

Existe, em exposição no Museu, um registo fotográfico de titulares de bilhetes de assinatura que se admite datar da transição do século XIX para o século XX e que, atendendo a algumas das personagens ali retratadas, poderá vir a revelar-se como interessante elemento de estudo da sociedade portuguesa de então.
Consta o referido registo de um volumoso maço de folhas de cartolina azul nas quais, em lugar próprio, junto ao número atribuído a cada um desses títulos de transporte, foram coladas as fotografias dos seus titulares, acompanhadas, na maioria dos casos, das suas assinaturas.
Desde logo chamando a atenção dos visitantes pelo aspeto austero e façanhudo da quase totalidade dos retratados, o registo, embora de modo despercebido, igualmente reflete o papel secundário desempenhado pelas mulheres de então na sociedade: dos 2625 retratados, apenas 40 são mulheres, o que se traduz numa percentagem de 1,5 %.

31.03.14 100 anos da carreira de elétrico 28 | desconto 10%
Aumentar

Sabia que... dia 1 de março a carreira 28 fez 100 anos?

A carreira de elétricos n.º 28 iniciou o seu serviço há 100 anos e o Museu da CARRIS quer comemorar consigo esta data! Durante o mês de março, obtenha 10% de desconto noa loja do Museu, em todos os artigos da carreira de elétrico n. 28. 
Não perca esta oportunidade e aproveite já!

30.03.14 SINOS DA CARRIS
Aumentar

Existiam nas Estações de Santo Amaro, do Arco do Cego e das Amoreiras. Feitos em bronze, serviam, entre outros fins, para anunciar o início e fecho dos períodos de serviço do pessoal que trabalhava nos car-barns: eram os sinos das estações. Reformados após uma longa vida de serviço ativo, alguns chegaram até aos nossos dias, estando hoje integrados no espólio do Museu. Deles destaquemos, por serem os que mais interesse despertam, os que serviram em Santo Amaro e nas Amoreiras. Este último, adquirido em 1939 pelo preço de 190 escudos, pesa 28 quilos, tem 23 centímetros de diâmetro máximo e mede, da coroa à base, 28 centímetros; o de Santo Amaro, cuja data de aquisição se desconhece, pesa 41,5 quilos e tem 34 centímetros de diâmetro e 40 de altura. Foi fundido em 1909 por José de Oliveira. Ambos possuem bordaduras decorativas em baixo relevo que, por ostentarem cruzes, nos permitem admitir que, originalmente, se destinariam a igrejas ou quaisquer outras instituições religiosas.
Para os mais curiosos, aqui fica o horário em que o sino da Estação do Arco do Cego, colocado à entrada do Car-barn, tocava para anunciar o início e fim dos turnos de serviço do pessoal oficinal:
Turno da manhã: 
07h55 – pré-aviso
08h00 – início do serviço
12h00 – fim do serviço
Turno da tarde: 
12h55 – pré-aviso
13h00 – início do serviço
17h00 – fim do serviço

29.03.14 Laboratórios Artísticos na Galeria do Museu da CARRIS
Aumentar

LABORATÓRIOS ARTÍSTICOS
Uma produção Tempos de Vista
Residências e Mostras na Carpintaria Mecânica
Entre outubro 2013 e abril 2014

Neste momento:
Inês Teles convida Min Kim
Residência: 1 março a 12 abril
Mostra: 29 março a 24 abril

28.02.14 Exposição Royal Blue n.º 224
Aumentar

Inaugura no próximo sábado, dia 22 de Fevereiro, às 17:00 horas, a exposição Royal Blue n.º 224 de Joana Gomes e Sérgio Fernandes, no âmbito dos Laboratórios Artísticos Tempos de Vista, na Antiga Carpintaria Mecânica do Museu da CARRIS.

A instalação é levada ao público por uma colaboração co-autoral que tem como ponto de partida uma longa partilha da tinta permanente Royal Blue n.º 224, que, de resto, dá nome à exposição.

Quatro frascos desta tinta foram disponibilizados de um acervo museológico e, desde então, ambos os artistas desenham e anotam com a mesma cor nos seus cadernos de esquisso, tendo transferido pequenas anotações para a pintura em grande escala, nomeadamente, para as obras realizadas na Antiga Carpintaria Mecânica. 
Este espaço expositivo, na Estação de Santo Amaro, nas instalações do Museu da CARRIS, possui diversos elementos, num só tom de azul como a sinalética, as traves de madeira ou as ombreiras que, assim, entraram em diálogo com as peças instaladas.

A Antiga Carpintaria Mecânica do Museu da CARRIS dá, ainda, vida ao conceito adotado pelos artistas para esta instalação: a Palmeira, uma “obsessão” adquirida pelos autores em consequência de viagens feitas ao Brasil e a São Tomé e Príncipe.

O uso da Palmeira neste espaço faz um contraponto direto com a história da Carpintaria Mecânica, agora desativada, que servia para o corte de madeira, a fabricação de moldes e a construção das peças que compunham os elétricos. No chão existem aspiradores onde se despejava a serradura proveniente do corte.
A exposição Royal Blue n.º 224 apresenta-se, assim, como uma experiência sensorial que pode ser percecionada de diversas perspetivas, seja pelo visionamento de cada peça singular e autónomo ou das três obras como um todo. 

A exposição conta, ainda, com uma sala reservada aos objetos de documentação da exposição e para os registos de vídeo do laboratório.

A exposição estará patente entre os dias 22 e 28 de Fevereiro.

Para saber mais clique aqui.

28.02.14 Laboratórios Artísticos
Aumentar

LABORATÓRIOS ARTÍSTICOS
Uma produção Tempos de Vista
Residências e Mostras na Carpintaria Mecânica
Entre Outubro 2013 e Março 2014

Neste momento:
Joana Gomes convida Sérgio Fernandes
Residência: 1 a 28 de fevereiro
Mostra: 22 a 28 de fevereiro

01.02.14 Alicate Obliterador
Aumentar

Os alicates obliteradores, ou “pica-bilhetes”, como tantas vezes se ouvem chamar, têm, na CARRIS, uma história tão longa como a própria empresa. 
Corrobora esta afirmação o regulamento denominado “Instruções ao Gerente da Companhia em Lisboa” que, no capítulo dedicado aos “Conductores”, diz: “A Companhia fornece-lhes um alicate com o qual é obrigado a dar um pique correspondente a cada uma das passagens que for cobrando de forma que possam pelo número de piques conferir o direito recebido no fim de cada viagem redonda”.
Como poderia o condutor saber no final de cada viagem o número de piques que fizera se não dispusesse de um sistema de registo desses mesmos piques e, existindo ele, como seria?
A resposta encontra-se muito provavelmente neste alicate, fabricado por TOWLE MF G.Cª. N.Y. e patenteado pela primeira vez em 12 de abril de 1864, equipado com um depósito para o papel obliterado, uma campainha avisadora da validação do bilhete e um contador tipo mostrador de relógio que, pela ação de dois ponteiros, vai contabilizando as obliterações efetuadas.

31.01.14 Laboratórios Artísticos
Aumentar

Uma produção Tempos de Vista
Residências e Mostras na Carpintaria Mecânica
Entre Outubro 2013 e Março 2014

Neste momento:
Maria Sassetti convida Inês Moura
Residência: 2 a 31 de janeiro
Mostra: 23 a 31 de janeiro