Museu da Carris

Destaques

Enviar este conteúdo

Os seus dados:

 

Destinatário(s):

Caso pretenda, junte também uma mensagem:

 
Esteja atento às principais notícias e atividades do Museu!

 
31.03.14 100 anos da carreira de elétrico 28 | desconto 10%
Aumentar

Sabia que... dia 1 de março a carreira 28 fez 100 anos?

A carreira de elétricos n.º 28 iniciou o seu serviço há 100 anos e o Museu da CARRIS quer comemorar consigo esta data! Durante o mês de março, obtenha 10% de desconto noa loja do Museu, em todos os artigos da carreira de elétrico n. 28. 
Não perca esta oportunidade e aproveite já!

30.03.14 SINOS DA CARRIS
Aumentar

Existiam nas Estações de Santo Amaro, do Arco do Cego e das Amoreiras. Feitos em bronze, serviam, entre outros fins, para anunciar o início e fecho dos períodos de serviço do pessoal que trabalhava nos car-barns: eram os sinos das estações. Reformados após uma longa vida de serviço ativo, alguns chegaram até aos nossos dias, estando hoje integrados no espólio do Museu. Deles destaquemos, por serem os que mais interesse despertam, os que serviram em Santo Amaro e nas Amoreiras. Este último, adquirido em 1939 pelo preço de 190 escudos, pesa 28 quilos, tem 23 centímetros de diâmetro máximo e mede, da coroa à base, 28 centímetros; o de Santo Amaro, cuja data de aquisição se desconhece, pesa 41,5 quilos e tem 34 centímetros de diâmetro e 40 de altura. Foi fundido em 1909 por José de Oliveira. Ambos possuem bordaduras decorativas em baixo relevo que, por ostentarem cruzes, nos permitem admitir que, originalmente, se destinariam a igrejas ou quaisquer outras instituições religiosas.
Para os mais curiosos, aqui fica o horário em que o sino da Estação do Arco do Cego, colocado à entrada do Car-barn, tocava para anunciar o início e fim dos turnos de serviço do pessoal oficinal:
Turno da manhã: 
07h55 – pré-aviso
08h00 – início do serviço
12h00 – fim do serviço
Turno da tarde: 
12h55 – pré-aviso
13h00 – início do serviço
17h00 – fim do serviço

29.03.14 Laboratórios Artísticos na Galeria do Museu da CARRIS
Aumentar

LABORATÓRIOS ARTÍSTICOS
Uma produção Tempos de Vista
Residências e Mostras na Carpintaria Mecânica
Entre outubro 2013 e abril 2014

Neste momento:
Inês Teles convida Min Kim
Residência: 1 março a 12 abril
Mostra: 29 março a 24 abril

28.02.14 Exposição Royal Blue n.º 224
Aumentar

Inaugura no próximo sábado, dia 22 de Fevereiro, às 17:00 horas, a exposição Royal Blue n.º 224 de Joana Gomes e Sérgio Fernandes, no âmbito dos Laboratórios Artísticos Tempos de Vista, na Antiga Carpintaria Mecânica do Museu da CARRIS.

A instalação é levada ao público por uma colaboração co-autoral que tem como ponto de partida uma longa partilha da tinta permanente Royal Blue n.º 224, que, de resto, dá nome à exposição.

Quatro frascos desta tinta foram disponibilizados de um acervo museológico e, desde então, ambos os artistas desenham e anotam com a mesma cor nos seus cadernos de esquisso, tendo transferido pequenas anotações para a pintura em grande escala, nomeadamente, para as obras realizadas na Antiga Carpintaria Mecânica. 
Este espaço expositivo, na Estação de Santo Amaro, nas instalações do Museu da CARRIS, possui diversos elementos, num só tom de azul como a sinalética, as traves de madeira ou as ombreiras que, assim, entraram em diálogo com as peças instaladas.

A Antiga Carpintaria Mecânica do Museu da CARRIS dá, ainda, vida ao conceito adotado pelos artistas para esta instalação: a Palmeira, uma “obsessão” adquirida pelos autores em consequência de viagens feitas ao Brasil e a São Tomé e Príncipe.

O uso da Palmeira neste espaço faz um contraponto direto com a história da Carpintaria Mecânica, agora desativada, que servia para o corte de madeira, a fabricação de moldes e a construção das peças que compunham os elétricos. No chão existem aspiradores onde se despejava a serradura proveniente do corte.
A exposição Royal Blue n.º 224 apresenta-se, assim, como uma experiência sensorial que pode ser percecionada de diversas perspetivas, seja pelo visionamento de cada peça singular e autónomo ou das três obras como um todo. 

A exposição conta, ainda, com uma sala reservada aos objetos de documentação da exposição e para os registos de vídeo do laboratório.

A exposição estará patente entre os dias 22 e 28 de Fevereiro.

Para saber mais clique aqui.

28.02.14 Laboratórios Artísticos
Aumentar

LABORATÓRIOS ARTÍSTICOS
Uma produção Tempos de Vista
Residências e Mostras na Carpintaria Mecânica
Entre Outubro 2013 e Março 2014

Neste momento:
Joana Gomes convida Sérgio Fernandes
Residência: 1 a 28 de fevereiro
Mostra: 22 a 28 de fevereiro

01.02.14 Alicate Obliterador
Aumentar

Os alicates obliteradores, ou “pica-bilhetes”, como tantas vezes se ouvem chamar, têm, na CARRIS, uma história tão longa como a própria empresa. 
Corrobora esta afirmação o regulamento denominado “Instruções ao Gerente da Companhia em Lisboa” que, no capítulo dedicado aos “Conductores”, diz: “A Companhia fornece-lhes um alicate com o qual é obrigado a dar um pique correspondente a cada uma das passagens que for cobrando de forma que possam pelo número de piques conferir o direito recebido no fim de cada viagem redonda”.
Como poderia o condutor saber no final de cada viagem o número de piques que fizera se não dispusesse de um sistema de registo desses mesmos piques e, existindo ele, como seria?
A resposta encontra-se muito provavelmente neste alicate, fabricado por TOWLE MF G.Cª. N.Y. e patenteado pela primeira vez em 12 de abril de 1864, equipado com um depósito para o papel obliterado, uma campainha avisadora da validação do bilhete e um contador tipo mostrador de relógio que, pela ação de dois ponteiros, vai contabilizando as obliterações efetuadas.

31.01.14 Laboratórios Artísticos
Aumentar

Uma produção Tempos de Vista
Residências e Mostras na Carpintaria Mecânica
Entre Outubro 2013 e Março 2014

Neste momento:
Maria Sassetti convida Inês Moura
Residência: 2 a 31 de janeiro
Mostra: 23 a 31 de janeiro

30.01.14 CARRIS e METRO inauguram novo espaço do Museu
Aumentar

Foi no passado dia 17 de dezembro, terça-feira, que a CARRIS e o METROPOLITANO DE LISBOA inauguraram o novo espaço do Museu da CARRIS, que, integra também a história do METROPOLITANO DE LISBOA. Com uma nova imagem, novos conteúdos e atividades, o Museu da CARRIS proporciona aos seis visitantes uma viagem inesquecível pela história dos transportes e da cidade de Lisboa.
Venha partilhar a história de Lisboa. Visite-nos na Estação de Santo Amaro, na Rua 1.º de Maio n.º 101, 1300-472 Lisboa.

20.01.14 Village Underground inaugura em março
Aumentar

Março é a data marcada para a abertura do projeto Village Underground no Museu da CARRIS.

O Village Underground Lisboa, sediado no Museu da CARRIS promete ser um espaço cultural multi funcional dedicado às indústrias criativas — com palco de concertos, exposições, teatro e conferências — que servirá igualmente de plataforma de promoção dos próprios artistas que habitam e circulam entre as VU de Londres, Lisboa e Berlim. Será certamente um espaço dinâmico e inspirador.

Apresentação do Village Underground:
Baseada nas séries Container City — estruturas arquitectónicas desenvolvidas a partir de contentores marítimos, que surgiram em Londres a partir de 2001 — a iniciativa Village Underground reúne de modo perspicaz os conceitos de arquitectura sustentável, co-working e industrias criativas, num projecto que se encontra já em funcionamento em Londres e Berlim.

01.01.14 Livro de Movimento de Gado
Aumentar

A 17 de novembro de 1873, a CARRIS inaugura o serviço de transporte em carros “americanos” (carros de tração animal), com a 1ª linha, entre  a estação do caminho-de-ferro do norte e leste e o extremo oeste do  aterro da Boa Vista, continuando, no anos seguintes, a abrir novas linhas  de exploração.
Durante o primeiro ano de exploração, adquiriu 135 cabeças de gado. Dois anos depois, já tinha em serviço 413, cuja 
alimentação, por dia e cabeça, custava 281 reis! Em 1884, o número de cabeças de gado atingia os 838. 
O livro de movimento de gado conta-nos a história destes animais, registando toda a informação a eles relativa, desde o seu número, a espécie e sexo, a sua idade, altura, cor e sinais particulares, a data em que a empresa os adquiriu e a sua procedência, o preço de compra e, posteriormente, a data da sua saída, o seu destino (vendido ou morto) e o preço de venda. Embora os carros americanos da CARRIS tenham desaparecido das ruas de Lisboa em 1905, a empresa manteve durante 
vários anos, alguns animais, utilizados sobretudo em trabalhos de carga.

01.12.13 Mercadito da Carlota no Museu da CARRIS
Aumentar

Não perca, dia 1 de dezembro (domingo) o Mercadito da Carlota de NATAL vai ao Museu!
A 5.ª edição do Mercadito da Carlota de Natal decorre este ano no Museu da CARRIS. Com a aposta num conceito especial e muito original, com um programa muito giro que procura proporcionar uma experiência divertida para mães, pais e filhos! Conte com as marcas com pinta do costume, numa atmosfera muito especial.
A decoração será realizada por "Pó d' arroz - Festas a Preceito" e as fotografias estão a cargo da Susana Gomes.
Para saber mais clique aqui.
Marque já na sua agenda e não falte!

Mercadito da Carlota nas notícias:

01.12.13 Férias de Natal no Museu da CARRIS
Aumentar

Venha connosco nesta aventura de Natal descobrir jogos, brincadeiras e muitas atividades para as suas férias preferidas! Escondidos atrás do azevinho estão uns duendes verdes de meias às riscas atarefados a preparar o Natal: desde as cartas com selo e carimbo, à árvore dos desejos, passando por enfeites, luzinhas, velas surpresa, bolachas de gengibre e um expresso que vai direitinho ao Pólo Norte...

Para mais informações, clique aqui.

30.10.13 Serviço Educativo do Museu com página no Facebook
Aumentar

Sabia que o Serviço Educativo do Museu da CARRIS já tem página no facebook?

Faça like e mantenha-se a par de todas as novidades.

28.10.13 Estamos a renovar o núcleo I e II do Museu da CARRIS

Com o objetivo de tornar o espaço mais abrangente, incluindo a história do Metropolitano de Lisboa, mais funcional e direcionado para o visitante, estamos a renovar os espaços do núcleo I e II do Museu da CARRIS. Prometemos ser breves.


Durante este período poderá visitar os seguintes espaços:
  • Núcleo III: Aqui expomos alguns dos veículos, de trabalho e de transporte de passageiros, que fazem parte da reserva e que se encontram a aguardar restauro.
  • Galeria do Museu e Antiga Carpintaria: Onde divulgamos exposições de artistas diversos, com o apoio da Produção Tempos de Vista.
  • Sala de Projeção: Aproveite esta oportunidade para visionar aquele que é considerado um dos espetáculo multimédia culturais mais bem conseguidos sobre a história da cidade, o filme “Lisboa quem és tu?”, com sessões às 10:00, 11:00, 12:00, 14:00, 15:00 e 16:00 horas de 2.ª a 6.ª feira e às 15:00 horas aos sábados.

27.10.13 Village Underground inicia montagens
Aumentar

O projeto Village Underground já iniciou as montagens no Museu da CARRIS.

A estrutura do Village Underground Lisboa se encontra em fase de montagem, estando a sua finalização programada para o início de 2014. Numa segunda fase serão construídas novas estruturas que terão como fim acolher um espaço cultural multi funcional — palco de concertos, exposições, teatro, conferências — que servirá igualmente de plataforma de promoção dos próprios artistas que habitam e circulam entre as VU de Londres, Lisboa e Berlim.
Até ao final do ano nascerá, no Museu da CARRIS, em Alcântara, um projecto dedicado às indústrias criativas, numa celebração do retro com o urbano, que é metade centro cultural, metade centro de escritórios. Será certamente um espaço dinâmico e inspirador.

Apresentação do Village Underground:
Baseada nas séries Container City — estruturas arquitectónicas desenvolvidas a partir de contentores marítimos, que surgiram em Londres a partir de 2001 — a iniciativa Village Underground reúne de modo perspicaz os conceitos de arquitectura sustentável, co-working e industrias criativas, num projecto que se encontra já em funcionamento em Londres e Berlim.

Pelas mãos de Mariana Duarte Silva a iniciativa é agora importada para Lisboa. Duas torres compostas por 14 contentores receberão assim 60 espaços de trabalho, aos quais se juntarão ainda dois autocarros desactivados, que funcionarão como cafetaria e sala de reuniões, respectivamente.

O Village Underground nasceu há cinco anos em Londres, dentro de contentores marítimos e carruagens de metro desactivadas e re-utilizadas como espaço de escritórios, colocadas num topo de um prédio na East End. Trabalham lá cerca de 50 criativos que desfrutam juntamente com outros londrinos de um espaço cultural onde se fazem concertos, exposições e artes performativas. Esta plataforma internacional para a cultura já chegou a Nova Iorque e está em construção em Berlim.


01.10.13 Lisboa quem és tu no Museu da CARRIS
Aumentar

O MUSEU CARRIS tem procurado ativamente dinamizar a sua oferta cultural criando assim uma maior atração a novos públicos e promovendo a repetição periódica da visita. Neste âmbito, temos agora mais um motivo de orgulho, a instalação permanente no nosso espaço, daquele que tem sido considerado um dos mais bem conseguidos espetáculos multimédia culturais sobre a história da Cidade, o "Lisboa Quem És Tu?"

Disponível a partir de 19 de setembro no Museu da CARRIS.
Sessões: 10:00, 11:00, 12:00, 14:00, 15:00, 16:00 (dias de semana) | 15:00 (sábados)

Lisboa quem és tu? é um espetáculo que utiliza a tecnologia mais recente de desenho digital e animação, ligando o passado ao presente. Sem qualquer barreira linguística, recorre exclusivamente à imagem e a música 100% portuguesa. Usando sistemas de multiprojeção vídeo e multidifusão sonora, conduz os espetadores, durante 30 minutos, numa viagem encantatória pelo universo da capital portuguesa.

Através de filme e animação o público terá oportunidade de descobrir a cidade do outro lado das pedras, os segredos por contar das cantarias, viajar noutras épocas, conhecer pessoas e edifícios por detrás das atuais fachadas, ouvir os sons da paisagem urbana, maravilhar-se com o esplendor da luz, encontrar os heróis da história, dar-se conta de pormenores da cidade nunca apercebidos no quotidiano, permitir-se entretecer histórias na história desta cidade porto de partida e de chegada e identificar os sítios e os lugares.

Com uma metodologia complexa de abordagem e investigação, o resultado consiste numa identificação direta do já visto ou um estímulo do levar a ver. Com coerência e imagem direta, tornando-se facilmente reconhecível, trata-se a história da cidade através dos monumentos identitários, dos locais estratégicos, dos factos e das personagens marcantes do percurso histórico de Lisboa.

A Lisboa contemporânea só é possível por um percurso harmonioso na abordagem de alguns momentos. A história não é linear, é feita de sobressaltos, de acontecimentos, de gentes que povoaram e deixaram a sua marca nos diversos momentos.

Pretende-se assim um percurso desde uma Idade Média tumultuosa/ uma centralidade comercial: da Praça do Rio ao Terreiro do Paço, das Utopias na cidade à Praça do Comércio; do terramoto ao regicídio e deste à revolução dos cravos; das cetárias romanas à construção do Aqueduto das Águas Livres e às passarolas; dos Estaus aos Atos de Fé da Inquisição; dos Descobrimentos a D. Sebastião; os jardins, os palácios, os salões, os nobres, as gentes da cidade que trabalham e que quotidianamente fazem a História da cidade que pode ser lida nos desenhos da calçada, nos azulejos que contam histórias nos muros, nos símbolos de pedra que ligam as histórias à História.

Lisboa é um palco/plateia onde cada visitante é ator/espectador na tarefa fascinante de descobrir Quem és Tu, Lisboa.

Para mais informações consulte aqui.

Veja aqui preços das entradas neste espetáculo.

04.09.13 Já conhece o 28 Café?
Aumentar

O 28 Café é o novo café criado em parceria com o Museu da CARRIS, aberto desde agosto de 2013, junto ao Castelo de São Jorge.

O espaço recria ao pormenor um dos mais emblemáticos elétricos da capital, o 28, uma proposta original para um domingo à tarde em que aparece a chuva, fazendo as delícias de turistas e lisboetas.

O projeto foi concebido em parceria com o Museu da CARRIS, através da cedência de imagens, direitos de utilização e know-how.

O serviço é de cafetaria, com petiscos e refeições ligeiras, com lugares sentados e em pé.

Entre aqui e conheça o espaço!

28 Café nas notícias:

31.08.13 O “amarelo” de Lisboa celebra 112 anos
Aumentar

A Companhia Carris de Ferro de Lisboa S.A., operadora dos transportes públicos de superfície na cidade de Lisboa, comemorou no dia 31 de Agosto, o 112º aniversário do serviço de tração elétrica. Com efeito, foi nesse dia do ano de 1901 que os lisboetas, pela primeira vez, puderam utilizar aquele novo e revolucionário tipo de transporte.

Fundada em 1872, a CARRIS, logo no ano seguinte inaugurou o serviço público com veículos de tração animal deslocando-se sobre carris, os “americanos”.

O sucesso que se lhe seguiu não impediu que, desde muito cedo, a Empresa, face aos desenvolvimentos tecnológicos que se vinham verificando no campo dos transportes, considerasse a sua substituição por um qualquer outro sistema mais rentável e eficaz, tendo a preferência recaído sobre os carros elétricos.

Em 1900 tiveram início os trabalhos necessários à sua implantação, os quais incluíram o relançamento da via, a instalação da rede aérea e até a construção de uma fábrica termoelétrica capaz de fornecer toda a energia elétrica necessária ao normal funcionamento do sistema.

A primeira linha de elétricos começou a funcionar no dia 31 de Agosto de 1901 entre o Cais do Sodré e Ribamar. Conforme um órgão da Comunicação Social da época relatava:

“A inauguração da tração elétrica satisfez completamente o público que em grande número concorreu a presenciar o importante melhoramento: elegância luxuosa dos carros, a comodidade que oferecem aos passageiros e a rapidez da marcha (...). Os carros são abertos, amplos, onde os passageiros, ainda mesmo nutridos, se podem acomodar à vontade. As carreiras começaram às 4 horas e 40 minutos, hora a que saiu o primeiro carro da estação de Santo Amaro”.

Em 1905 já toda a rede estava eletrificada tendo-se verificado, nos anos subsequentes, o normal crescimento da frota e alargamento da rede.

A Carris convida toda a população a visitar o Museu da Carris, onde, para além de ficar a conhecer a história da empresa, poderá ver a evolução do carro elétrico ao longo destes 112 anos, bem como desfrutar da experiência única de andar num elétrico de 1901. 

O Museu da CARRIS, aberto das 10 às 18 horas (encerrando aos Sábados das 13 às 14 horas para almoço, Domingos e Feriados), na Rua 1º de Maio 101 – 103, 1300-472 LISBOA, telefone nº. 21 361 30 87, e-mail museu@carris.pt

30.08.13 Exposição Contínuo
Aumentar

Venha conhecer a mais recente exposição patente de 18 de julho até 30 de setembro na Galeria Museu da CARRIS 
“CONTÍNUO”, uma exposição da autoria de Miguel Palma e João Ferro Martins

Com curadoria de Bruno Leitão “Contínuo” é um encontro de duas gerações distintas em que Miguel Palma e João Ferro Martins expõem a dicotomia Ocidente/Oriente. 
A exposição estende-se pelo local que outrora foi a Carpintaria da CARRIS e onde as peças apresentadas por Miguel Palma e João Ferro Martins se fundem em perfeita sintonia com o espaço envolvente. Como define o curador da exposição Bruno Leitão ”esta ocasião articula-se num encontro sobre formas de pensar a distância e cultura, entre o que realmente conhecemos e o que imaginamos acerca de outra sociedade.”

17.07.13 SERVIÇO EDUCATIVO
Aumentar

Já conhece as atividades que compoem o Serviço Educativo do Museu da CARRIS?
Clique aqui e fique a conhecer-nos melhor.


13.07.13 Aniversário do Elevador de Santa Justa
Aumentar

É já no próximo dia 10 de julho (quarta-feira) que celebramos o 111.º aniversário da inauguração do Elevador do Carmo ou, como desde muito cedo se tornou conhecido, de Santa Justa.
“Ex libris” da Baixa lisboeta, este elevador, hoje propriedade da Companhia CARRIS, foi projetado pelo Eng. Raul Mesnier de Ponsard e era, na origem, propriedade de uma empresa especialmente criada para a sua construção e exploração: a Empresa do Elevador do Carmo.
Os trabalhos para a sua construção tiveram início em 1900 com a remoção de terras nas Escadinhas de Santa Justa e o seu momento mais marcante no dia 31 de agosto de 1901, quando, por sistema de alavanca, em poucas horas, foi feito o lançamento do passadiço destinado a estabelecer, por sobre a Rua do Carmo, ligação entre o topo do Elevador e o Largo daquele nome. Também nesse dia e igualmente importante para o quotidiano e desenvolvimento da cidade, foi a inauguração, pela CARRIS, do serviço de carros eléctricos.
Inicialmente o Elevador utilizava o vapor como força de tração. Em 1907 procedeu-se à eletrificação do sistema.
Em fevereiro de 2002, tal como sucedeu com os Ascensores do Lavra, da Glória e da Bica, também eles propriedade da CARRIS, o Elevador do Carmo foi classificado como Monumento Nacional.

06.07.13 Arraial de Verão no Museu da CARRIS
Aumentar

Venha comemorar o Verão e participar no Arraial de Verão promovido pela Orquestra de Música da CARRIS, no Museu da CARRIS, no próximo dia 6 de julho.

Teremos muita música e petiscos à sua espera. Entrada gratuita!

Das 17:00 às 21:30 horas, não falte! Marque já na sua agenda!

21.06.13 Lisboa em Si
Aumentar

Mais de 25 barcos ancorados ao longo do Tejo, sinos de igrejas, comboios, carros de bombeiros e elétricos, compõem a orquestra que vai explorar os sons da cidade no evento "Lisboa em Si", que se realiza no dia 21 de junho, às 22:00 horas, na zona ribeirinha da capital portuguesa.

Durante sete minutos em homenagem às sete colinas da cidade, sob direção artística de Pedro Castanheira, mais de cem músicos interpretam uma peça composta especificamente para apitos de barcos, sinos, comboios, carros de bombeiros e elétricos, tocados a partir de uma partitura composta tendo em conta estas sonoridades e o seu alcance na cidade.

O objetivo é que, através de uma experiência sensorial única e irrepetível, lisboetas e visitantes da cidade façam sete minutos de silêncio em homenagem a uma capital histórica que é ao mesmo tempo contemporânea.

A composição musical pode ser escutada um pouco por toda a Zona Ribeirinha, sendo os palcos Lisboa em Si, ou pontos de escuta recomendados, Ribeira das Naus, Castelo de São Jorge, Miradouro de Santa Luzia e Portas do Sol e Terreiro do Paço .

O projeto engloba ainda uma componente científica, desenvolvida em parceria com a Sociedade Portuguesa de Acústica e a Escola Superior de Música de Lisboa, que consiste na captação e estudo da propagação sonora destas várias fontes, com o objetivo de desenvolver um software específico que permite saber onde e em que condições se propagam estes sons.

A iniciativa é uma co-produção da Cooperativa Fora de Si e da Câmara Municipal de Lisboa, com o apoio do Turismo de Lisboa e da Administração do Porto de Lisboa, e com a participação da Marinha, Transtejo/ Soflusa, CP, Carris, Patriarcado de Lisboa e Escola Superior de Música de Lisboa, entre outras entidades.

Mais informações em www.lisboaemsi.com

Pedro Castanheira já apresentou uma peça musical em vídeo denominada “CARRIS em Si”, no qual o músico apresentou uma curta metragem realizada no Museu da CARRIS, utilizando sons da cidade de Lisboa em conjunto com inúmeros sons dos vários objetos do espólio da CARRIS. Veja aqui o filme realizado:

06.05.13 Newsletter do Museu
Aumentar

Já está disponivel a nova newsletter do Museu da CARRIS onde pode encontrar todas as novidades sobre o Museu.

01.05.13 Descontos no Museu
Aumentar

Aproveite os descontos que o Museu da CARRIS e o Museu Arqueológico do Carmo têm para lhe oferecer.

O Museu da CARRIS e o Museu Arqueológico do Carmo, associam-se numa parceria que oferece descontos aos seus visitantes.
Agora, o bilhete do Museu Arqueológico do Carmo dá acesso a 50% de desconto na entrada no Museu da CARRIS e o bilhete do Museu da CARRIS dá acesso a 40% de desconto na entrada no Museu Arqueológico do Carmo.
Aproveite esta oportunidade.